“O Evangelho da família, alegria para o mundo”

“E o verbo se fez carne e habitou entre nós”. Assim, Deus, em sua infinita bondade e misericórdia, nos deu a graça da salvação, abrindo as portas do céu para a humanidade. Por amor, Ele enviou Seu filho único para viver em nosso meio, sentir as nossas dores, carregar nossos fardos, mas, acima de tudo, nos apresentar o verdadeiro sentido da vida. Assim, Deus cuidou de cada detalhe, pois Jesus precisava ser acolhido por pessoas que o preparassem para a vida humana, que o acolhessem e o educassem da melhor maneira possível. Como fazer isso? Quem seria digno de acolher o salvador?

Para Deus não há dúvidas, Ele sabe todas as coisas, e, por isso, em seus planos, já sabia o que fazer. Maria, uma menina apenas, e como muitas outras, certamente cheia de planos, de sonhos, de esperanças, que já buscava construir uma família, pois estava prometida em casamento a um rapaz íntegro, trabalhador e de fé. Podemos imaginar o que ela sentiu ao receber aquela visita inesperada, naquele momento de graça, em que o anjo Gabriel se apresentava diante da escolhida para trazer ao mundo aquela criança tão especial.

Apesar da sua pouca idade, de estar prometida em casamento e das dificuldades que certamente iria enfrentar, ela deu o seu sim. Sua atitude mostrou uma maturidade extrema, reflexo de uma educação sustentada na fé, de uma família em que Deus ocupava o centro de tudo. Percebemos, portanto, a importância que a família tem na vida de uma pessoa, pois ela é a base de toda a formação humana.

Hoje, estamos diante de uma realidade em que muitas famílias deixaram de colocar a fé em primeiro lugar, em que Deus, muitas vezes, é mencionado apenas em expressões tais como “Deus me livre”, “se Deus quiser”, entre tantas outras, utilizadas em conversas banais. A Igreja, fruto do desejo de Jesus de levar seus ensinamentos ao longo dos tempos, atualmente é vista de modo destorcido e muitas famílias não percebem sua importância na formação dos filhos de Deus. Novos pensamentos, diferentes ideologias e a busca de uma felicidade momentânea levam muitas crianças, jovens e até adultos a caminhos cada vez mais distantes da vontade de Deus.

Quantos jovens se encontram no mundo da criminalidade, das drogas, da prostituição…? O que está faltando em suas vidas? O que falta nas nossas famílias? A maturidade de Maria no seu sim a Deus mostra a importância da família na construção da sua fé. Precisamos, portanto, que Deus chegue às nossas casas, que as crianças sejam educadas numa fé verdadeira, pois família que reza permanece unida.

A Igreja é um grande sinal de Deus em nosso meio, é preciso, pois, como cristãos, buscá-la sempre, a fim de termos uma fé viva, renovada a cada dia e pautada no que o Senhor quer de nós. Além disso, precisamos apresentá-la e testemunhá-la a cada dia, a fim de que outras pessoas conheçam sua importância e possam sentir o quanto ela é capaz de restaurar vidas, orientar nossa fé, edificar as famílias e nos conduzir a Deus, que é o sentido maior de toda a nossa existência.

                                                    Paróquia Nossa Senhora do Patrocínio – Remígio – PB                                                Flávia Raquel e Willian Vieira – ECC  

COMPARTILHAR