Domingo da Ressurreição do Senhor 

1º Círculo – João 20, 1-9

Este é o dia que o Senhor fez para nós:

alegremo-nos e nele exultemos!

(Salmo 117/118)

Acolhida

  1. Um canto inicial
  2. Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  3. Apresentar brevemente o assunto que vai ser refletido, meditado e rezado neste encontro.
  4. Invocar a luz do Espírito Santo.

Chave de leitura

Dirigente: A Ressurreição gloriosa do Senhor é a chave para interpretarmos toda a sua vida e o fundamento da nossa fé. Sem essa vitória sobre a morte, diz S. Paulo, vazia seria a nossa pregação e vã a nossa fé. (Cf. 1 Cor 15,14).

Ouvindo a Palavra de Deus 

Dirigente:  Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a Palavra. Por isso, vamos abrir o coração para Ele.

  1. a) Canto de aclamação: a critério.
  2. b) Leitura do texto: João 20, 1-9
  3. c) Momento de silêncio, para a Palavra de Deus poder calar em nós.

A Palavra no chão que pisamos

Dirigente: A Ressurreição do Senhor é um apelo muito forte: lembra-nos sempre que vivemos neste mundo como peregrinos e que estamos em viagem para a verdadeira pátria, a eterna. Cristo ressuscitou para levar consigo os homens, na Sua Ressurreição, para onde Ele vive eternamente, fazendo-os participantes da Sua glória.

Para refletir:

  1. Vamos lembrar juntos o texto que foi lido. O que mais chamou sua atenção? Por quê?
  2. O que sentiu dentro de você, ao ouvir esta Palavra?
  3. Como este texto ilumina a nossa vida pessoal e comunitária?

Dirigente: Vamos expressar em forma de preces as intenções e os sentimentos que neste momento estão no nosso coração. Após cada pedido, vamos responder:

 

Todos: Senhor, escutai a nossa prece

Pai-nosso…

Ave-Maria…

Oração e saudação da paz.

 Bênção Bíblica: Invoquemos com confiança a bênção do Senhor: O Senhor nos abençoe e nos guarde! O Senhor nos mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de nós! O Senhor nos mostre o seu rosto e nos conceda a paz! (Nm. 6, 24-27).

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

– Para sempre seja louvado!

 Canto de despedida.

 

2º Círculo – João 20 19- 31

Domingo da Divina Misericórdia

Dai graças ao Senhor, porque ele é bom;

“eterna é a sua misericórdia”

Salmo 117 (118), 2-4.16

Acolhida

  1. Um canto inicial
  2. Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  3. Apresentar brevemente o assunto que vai ser refletido, meditado e rezado neste encontro.
  4. Invocar a luz do Espírito Santo.

Chave de leitura

Dirigente: Nestes dias de Páscoa, a Liturgia nos fez assistir ao nascimento da fé pascal. Mediante a narração das aparições do Ressuscitado, vimos renascer nos discípulos de Jesus, desanimados e dispersos, a fé e o amor para com Ele: a ressurreição gerou a fé.

Ouvindo a Palavra de Deus 

Dirigente: Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a Palavra. Por isso, vamos abrir o coração para Ele.

  1. a) Canto de aclamação: o critério.
  2. b) Leitura do texto: João 20, 19-31
  3. c) Momento de silêncio, para a Palavra de Deus poder calar em nós. 

A Palavra no chão que pisamos

Dirigente: Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto:

O evangelho (Jo 20, 19-31) inicia falando do primeiro dia da semana, isto é, o Dia por excelência, pois foi o dia da Ressurreição do Senhor; relata a aparição de Jesus Misericordioso para com os seus discípulos, no mesmo dia da sua Ressurreição, no qual derramou sobre eles e lhes confiou o tesouro da sua Paz e dos seus Sacramentos, e confirmou a nossa fé e a fé de todos os “Tomés” do mundo, que estão cheios de dúvidas e com ânsias de ter certezas.

Para refletir:

  1. Como se chega à fé na ressurreição do Cristo nosso Senhor?
  2. Como se chega à fé de que Cristo ressuscitou dos mortos e está vivo no meio da Comunidade?
  3. Qual é o meu olhar a partir da Palavra?

Escreva no seu diário o que mais lhe chamou atenção nesta leitura. 

Dirigente: Vamos expressar em forma de preces as intenções e os sentimentos que neste momento estão no nosso coração. Após cada pedido, vamos responder:

Todos: Jesus, nós confiamos em vós.

Pai-nosso…

Ave-Maria…

Oração e saudação da paz.

 Bênção Bíblica: Invoquemos com confiança a bênção do Senhor: O Senhor nos abençoe e nos guarde! O Senhor nos mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de nós! O Senhor nos mostre o seu rosto e nos conceda a paz! (Nm. 6, 24-27).

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

– Para sempre seja louvado!

 Canto de despedida.

 

3º Círculo – Lucas 24, 35 – 48

Sobre nós fazei brilhar o esplendor de vossa face

Salmo 4/5 

Acolhida

  1. Um canto inicial
  2. Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  3. Apresentar brevemente o assunto que vai ser refletido, meditado e rezado neste encontro.
  4. Invocar a luz do Espírito Santo.

Chave de leitura

Dirigente: O Evangelho (Lc 24, 35-48) narra mais uma aparição de Jesus ressuscitado aos discípulos, que têm muitas dúvidas e estão atônitos. Cristo vai ao encontro deles para fortalecer-lhes a fé e dizer-lhes: “Vós sereis testemunhas de tudo isso” (Lc 24,48).

Ouvindo a Palavra de Deus

Dirigente: Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a Palavra. Por isso, vamos abrir o coração para Ele.

  1. a) Canto de aclamação: a critério.
  2. b) Leitura do texto: Lucas 24, 35-48
  3. c) Momento de silêncio, para a Palavra de Deus poder calar em nós.

A Palavra no chão que pisamos

Dirigente: O espírito perturbado e o coração cheio de dúvidas… A ressurreição de Jesus não está ao alcance do nosso entendimento, mas cabe inteirinha dentro da nossa fé. Entreguemo-nos ao Pai e Ele nos dará o encantamento que precisamos viver diante do seu Dom Maior – o Cristo Jesus que, ressuscitado dos mortos, nos conduz já nesta terra pelos caminhos do Reino do Céu.

Para refletir:

  1. O que a Palavra diz para mim?
  2. Será que sou capaz de ver em quem toma refeição comigo, o Ressuscitado?
  3. Tenho familiaridade com as Sagradas Escrituras, deixando-me abrir a mente para a Verdade?
  4. Como pessoa batizada, cristã, assumo meu compromisso de testemunhar a ressurreição de Jesus?

Dirigente: Vamos expressar em forma de preces as intenções e os sentimentos que neste momento estão no nosso coração. Após cada pedido vamos responder:

Todos: Pai, ouvi-nos e atendei-nos!

Pai-nosso…

Ave-Maria…

Oração e saudação da paz.

 Bênção Bíblica: Invoquemos com confiança a bênção do Senhor: O Senhor nos abençoe e nos guarde! O Senhor nos mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de nós! O Senhor nos mostre o seu rosto e nos conceda a paz! (Nm. 6, 24-27).

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

– Para sempre seja louvado!

 Canto de despedida.

 

4º Círculo – João 10, 11-18

A terra está repleta do amor de Deus,

por sua palavra foram feitos os céus, aleluia!

Salmo 32, 5-6

Acolhida

  1. Um canto inicial
  2. Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  3. Apresentar brevemente o assunto que vai ser refletido, meditado e rezado neste encontro.
  4. Invocar a luz do Espírito Santo.

Chave de leitura

Dirigente: O Evangelho de hoje nós fala do Bom Pastor. Este Bom Pastor é Nosso Senhor Jesus Cristo.

Leitor 1. Jesus ao falar de ovelhas e pastores, está usando a metáfora da imagem do Pastor, que era muito comum na sua época. Pela boca do profeta Ezequiel, Deus falou ao povo eleito: “Não é seu rebanho que devem pastorear os pastores? [….] “Assim por falta de pastores se dispersaram as minhas ovelhas, e em sua dispersão foram expostas a tornarem-se presas de todas as feras.” (Ez 34,1-5).

Ouvindo a Palavra de Deus

Dirigente: Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a Palavra. Por isso, vamos abrir o coração para Ele.

  1. a) Canto de aclamação: a critério.
  2. b) Leitura do texto: João 10, 11-18
  3. c) Momento de silêncio, para a Palavra de Deus poder calar em nós.

A Palavra no chão que pisamos

Dirigente: Sabemos que as ovelhas são animaizinhos, dependentes do seu pastor. Nas noites escuras de tempestades, o pastor tem que dormir com elas, para acalmá-las e sentir o seu cheiro. Sua visão é pouca, sua estrutura óssea é frágil, cai atoa em buracos, se perde fácil do rebanho, e é presa fácil para os ladrões e os lobos. O pastor tem que levá-las às pastagens e fontes, pois elas não sabem fazer isso sozinhas. Por isso, é que Nosso Senhor nos relaciona a Ele, como ovelhas, e Ele o Bom Pastor.

Para refletir:

  1. Qual é o pastor que estamos seguindo?
  2. Quem são as feras que estão de olho voraz nas ovelhas do Senhor?
  3. Por que Jesus usou uma imagem de Bom Pastor?
  4. Por que Ele continua a nos chamar seu rebanho?

Dirigente: Vamos expressar em forma de preces as intenções e os sentimentos que neste momento estão no nosso coração. Após cada pedido, vamos responder:

Todos: Cordeiro de Deus, atendei a nossa súplica!

Pai-nosso…

Ave-Maria…

Oração e saudação da paz. 

 Bênção Bíblica: Invoquemos com confiança a bênção do Senhor: O Senhor nos abençoe e nos guarde! O Senhor nos mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de nós! O Senhor nos mostre o seu rosto e nos conceda a paz! (Nm. 6, 24-27).

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

– Para sempre seja louvado!

 Canto de despedida.

 

5º Círculo – João 15, 1-8

Cantai ao Senhor um canto novo, porque ele fez maravilhas;

e revelou sua justiça diante das nações, aleluia!

(Salmo 97,1-2

Acolhida

  1. Um canto inicial
  2. Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  3. Apresentar brevemente o assunto que vai ser refletido, meditado e rezado neste encontro.
  4. Invocar a luz do Espírito Santo.

Chave de leitura  

Dirigente: Estamos diante do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo São João, quinto Domingo da Páscoa. A liturgia de hoje é linda e magnifica; Nosso Senhor, na sua pedagogia de ensinamentos, para nos falar do seu Reino, e que o entendamos, usa de metáforas, coisas simples, regionais do campo. Jesus usa da imagem da ovelha, do pastor, do trigo, da vinha, do campo e tudo aquilo que o povo simples possa entender, na linguagem de parábolas. Hoje Ele nos fala da videira, da vinha.

Ouvindo a Palavra de Deus

Dirigente:  Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a Palavra. Por isso, vamos abrir o coração para Ele.

  1. a) Canto de aclamação: a critério.
  2. b) Leitura do texto: João 15,1-8
  3. c) Momento de silêncio, para a Palavra de Deus poder calar em nós.

A Palavra no chão que pisamos 

Dirigente: Meditarmos as palavras de Jesus sobre a videira e seus ramos significa refletirmos, sobre a relação que nos une com Ele, em sua dimensão mais profunda: “Eu sou a verdadeira videira; vós sois os ramos.” É uma comparação até mais profunda que aquela do Pastor, a ovelha e seu rebanho, na liturgia de Domingo passado. Irmãos! Imaginemos no que há de mais intimo, entre a videira e seus  ramos.

Para refletir:

  1. Você pode dizer que é um ramo que produz frutos?
  2. Em que consiste sua participação na vida da Igreja?
  3. Como se pode alimentar da vida de Deus?
  4. Ser cristão é progredir sempre. Sua comunidade progride?
  5. O que acontece quando na comunidade há galhos secos, improdutivos?

 Preces: Senhor, escutai a nossa prece! 

Pai-nosso…

Ave-Maria…

Oração e saudação da paz. 

 Bênção Bíblica: Invoquemos com confiança a bênção do Senhor: O Senhor nos abençoe e nos guarde! O Senhor nos mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de nós! O Senhor nos mostre o seu rosto e nos conceda a paz! (Nm. 6, 24-27).

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.

– Para sempre seja louvado!

 Canto de despedida.

 

COMPARTILHAR