Solenidade de São Pedro e São Paulo Apóstolos – Dia do Papa

1º Círculo – Mateus 16,13-19

 “Quem dizem os homens que é o Filho do Homem?” (Mateus 16,13b)

 1- Preparação do ambiente: Colocar a Bíblia em destaque, velas acesas, colocar uma foto do Papa juntamente com uma estampa ou imagem de São Pedro e São Paulo com alguma frase do Evangelho ou das leituras do dia.

2- Canto para começar o encontro e acolher as pessoas com alegria.

3- Invocar a luz do Espírito Santo.

Mantra: Ó luz do Senhor, que vem sobre a terra, inunda meu ser, permanece em nós.

Despertando o ouvido para a escuta da Palavra

Dirigente: No Círculo Bíblico de hoje, celebramos a solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo, que tiveram suas vidas transformadas pelo encontro com Jesus Cristo. O seu amor pela Igreja e pelo Evangelho nos mostra, hoje, como em meio aos desafios do nosso tempo, seguir os passos de Jesus.

Leitor 1. Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a palavra. Por isso, vamos abrir o coração para Ele, cantando um canto de aclamação

  1. b) Canto de aclamação: a critério.
  2. c) Leitura do texto: Mateus 16, 33-37
  3. d) Momento de silêncio para a Palavra de Deus poder calar dentro de nós.

 Vivendo a Palavra

Dirigente: São Pedro e São Paulo. Duas figuras tão diferentes, que, no entanto, se uniram no testemunho de Cristo até à morte. Pedro é objeto de uma atenção especial por parte de Cristo. Homem corajoso e decidido, que confessa sua fé em Cristo, está disposto a acompanhá-Lo em sua paixão, caminha sobre as águas, quer defender o seu Mestre, mas ao mesmo tempo tão frágil a ponto de trair o seu Mestre, negando conhecê-Lo por três vezes. Mas é sobre esta fragilidade fundamentada na fé que Cristo quer edificar a Sua Igreja.

Leitor 1. Também São Paulo é hoje apresentado na cadeia (2 Tm. 4, 6-8. 17-18), na sua última prisão que terminará com o seu martírio. O Apóstolo está consciente da sua situação; porém, as suas palavras não revelam amargura, mas a serena satisfação de ter gasto a sua vida pelo Evangelho: “aproxima-se o momento de minha partida. Combati o bom combate, completei a corrida, guardei a fé. Agora está reservada para mim a coroa da justiça.”

 Para refletir

  1. Vamos lembrar juntos o que  foi lido. O que mais chamou a sua atenção?
  2. O que sentiu dentro de você ao ouvir estas palavras?
  3. Como este texto ilumina a nossa caminhada cristã?
  4. Pedro e Pedra de duas maneiras. Quais?
  5. Que tipo de pedra é a nossa Comunidade? Qual a missão que resulta disso para nós?
  6. Vamos rezar o Salmo 34 (33): De todos os temores me livrou o Senhor Deus… rezar na Bíblia.

– Pai nosso

– Ave Maria

– Canto: Quem nos separará                                                                                            Bênção BÍBLICA: Invoquemos com confiança, a bênção do Senhor: O Senhor nos abençoe e nos guarde! O Senhor nos mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de nós! O Senhor nos mostre o seu rosto e nos conceda a paz!

 

2º Círculo – Marcos 6.1-6

 Vosso louvor se estenda, como o vosso nome, até os confins da terra; toda a justiça se encontra em vossas mãos. (Salmo 47)

Acolhida

  1. Um canto inicial
  2. Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  3. Apresentar brevemente o assunto que vai ser refletido, meditado e rezado neste encontro.
  4. Invocar a luz do Espírito Santo.

 Despertando o ouvido para a escuta da Palavra

Dirigente: Neste Domingo, estamos diante do Evangelho de São Marcos. Hoje, o Senhor nos fala do verdadeiro missionário. Missionário é o profeta que anuncia Jesus Cristo àqueles, que não conhecem o Senhor; mesmo que sua mensagem seja rejeitada, não desiste. Jesus, Nosso Senhor, também foi rejeitado pelo seu povo em Nazaré, devido a falta de fé daquela gente. E por causa da falta de fé daquele povo, Nosso Senhor não pôde fazer quase nada ali.

Leitor 1. Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a palavra. Por isso, vamos abrir o coração para Ele, cantando um canto de aclamação

  1. b) Canto de aclamação: a critério.
  2. c) Leitura do texto: Marcos 6.1-6
  3. d) Momento de silêncio para a Palavra de Deus poder calar dentro de nós.

 Vivendo a Palavra

Dirigente: A reação do Povo de Nazaré frente a Jesus (Marcos 6,1-3)    

É sempre bom voltar para a terra da gente. Após longa ausência, Jesus também voltou e, como de costume, no dia de sábado, foi para a reunião da comunidade. Jesus não era coordenador, mesmo assim ele tomou a palavra. Sinal de que as pessoas podiam participar e expressar sua opinião. Mas o povo não gostou das palavras dele e ficou escandalizado.

Leitor 1. Jesus, um moço que eles conheciam desde criança, como é que ele agora ficou tão diferente? O povo de Cafarnaum tinha aceitado o ensinamento de Jesus (Mc 1,22), mas o povo de Nazaré se escandalizou e não aceitou. Motivo? “Esse não é o carpinteiro, filho de Maria?” Eles não aceitaram o mistério de Deus presente num homem comum como eles! Para poder falar de Deus ele teria que ser diferente deles!

Leitor 2. Como se vê, nem em tudo foi bem-sucedido. As pessoas que deveriam ser as primeiras a aceitar a Boa Nova, foram estas as que se recusaram a aceitá-la. O conflito não é só com os de fora de casa, mas também com os parentes e com o povo de Nazaré. Eles recusam, porque  não conseguem entender o mistério que envolve a pessoa de Jesus: “De onde vem tudo isso? Onde foi que arranjou tanta sabedoria? Ele não é o carpinteiro, o filho de Maria, irmão de Tiago, de Joset, de Judas e de Simão? E suas irmãs não moram aqui conosco?” Não deram conta de crer.

Para refletir

  1. O que mais chama a sua atenção neste texto?
  2. Como pessoas de fé, o que provoca em nós este Evangelho?
  3. Será que ainda precisamos de conversão?
  4. Ainda existe preconceito entre nós? O que fazer para superar?

 Vamos rezar o Salmo 122: Rezar na Bíblia.

– Pai nosso

– Ave Maria                                                                                                                       Bênção BÍBLICA: Invoquemos, com confiança, a bênção do Senhor: O Senhor nos abençoe e nos guarde! O Senhor nos mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de nós! O Senhor nos mostre o seu rosto e nos conceda a paz!

 

3º Círculo – Marcos 6, 7-13 

 Mostrai-nos, ó Senhor, vossa bondade, e a vossa salvação nos concedei! (Salmo 84)

Acolhida

  1. Um canto inicial
  2. Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  3. Apresentar brevemente o assunto que vai ser refletido, meditado e rezado neste encontro.
  4. Invocar a luz do Espírito Santo.

 Despertando o ouvido para a escuta da Palavra

Dirigente: Estamos diante do evangelho de São Marcos, e hoje a liturgia nos fala do envio; isto é, do verdadeiro missionário de Cristo. Foi o próprio Jesus que instituiu “o envio,” vão profetizar, vão falar de mim, e do Reino dos céus.! (Mc 16,15)

Leitor 1. Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a palavra. Por isso, vamos abrir o coração para Ele, cantando um canto de aclamação.

  1. b) Canto de aclamação: a critério.
  2. c) Leitura do texto: Marcos 6.7-13
  3. d) Momento de silêncio para a Palavra de Deus poder calar dentro de nós.

 Vivendo a Palavra

 Dirigente: Nosso Senhor chamou os doze e começou a enviá-los dois a dois. Muitas vezes ao comentar esta passagem do evangelho, geralmente passamos por cima dessas palavras iniciais, para determos nas “instruções,” que Jesus dá aos doze e no modo, como eles desempenham sua primeira missão.

Leitor 1. Os discípulos do Senhor desempenharam a missão com o poder do Espirito Santo, por onde passavam as pessoas eram curadas, libertadas, tudo em nome de Jesus de Nazaré! Quando voltaram, vieram alegres, felizes, porque tudo tinha acontecido conforme Nosso Senhor tinha falado.

Leitor 2. Hoje, também o Senhor nos chama pelo nosso nome, para com Ele compartilhar o problema; é a nossa resposta que nem sempre é generosa e dócil, mas muito lenta. Muitos são chamados, mas poucos são escolhidos. (Mt 22,14) Deus não cessa de nos chamar, Ele nos chama, nos capacita e envia em missão. Mas para isso Ele precisa do nosso sim!

Para refletir

  1. Sentimo-nos chamados e enviados em missão?
  2. b) Temos sido instrumentos do Senhor, na nossa comunidade?
  3. c) Usamos desculpas para resistirr ao chamado de Deus?
  4. d) Qual é o novo olhar a partir da Palavra?

Vamos rezar o Salmo 84: Rezar na Bíblia.

– Pai nosso

– Ave Maria                                                                                                                       Bênção BÍBLICA: Invoquemos, com confiança, a bênção do Senhor: O Senhor nos abençoe e nos guarde! O Senhor nos mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de nós! O Senhor nos mostre o seu rosto e nos conceda a paz!

 

4º Círculo – Marcos 6, 30-34

 O Senhor é o Pastor que me conduz;

felicidade e todo bem hão de seguir-me!

(Salmo 22)

Acolhida

  1. Um canto inicial
  2. Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  3. Apresentar brevemente o assunto que vai ser refletido, meditado e rezado neste encontro.
  4. Invocar a luz do Espírito Santo.

 Despertando o ouvido para a escuta da Palavra

Dirigente: A liturgia deste domingo nos coloca no interior da compaixão, isto é, voltar o coração para a dor e o sofrimento alheio, para a realidade dura e difícil, de quem está diante de nós.

Leitor 1. Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a palavra. Por isso, vamos abrir o coração para Ele, cantando um canto de aclamação.

  1. b) Canto de aclamação: a critério.
  2. c) Leitura do texto: Marcos 6, 30-34
  3. d) Momento de silêncio para a Palavra de Deus poder calar dentro de nós.

Vivendo a Palavra

Dirigente: A palavra do Senhor desta liturgia nos convida a meditarmos a compaixão de Jesus com a humanidade. Deus olhando para este mundo, viu seu povo andando desnorteado, sozinho sem destino, sem nada nas mãos.

Leitor 1. Sentir compaixão é voltar o coração para a dor e o sofrimento alheio, para a realidade dura e difícil, de quem sofre e, muitas vezes, está diante de nós. Jesus colocou-se no lugar do povo, com um santo sentimento, pois viu que a multidão estava como ovelhas sem pastor.

Para refletir

  1. Jesus “teve pena daquela gente”. Nós, Comunidade – Igreja, temos o mesmo sentimento?
  2. Como tem sido o meu papel de pastor (a) na família, na comunidade? Tenho cuidado do meu rebanho?
  3. Tenho guiado este rebanho para os prados e campinas ou não ligo a mínima para o rebanho?

Vamos rezar o Salmo 22: Rezar na Bíblia.

– Pai nosso

– Ave Maria                                                                                                                       Bênção BÍBLICA: Invoquemos com confiança, a bênção do Senhor: O Senhor nos abençoe e nos guarde! O Senhor nos mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de nós! O Senhor nos mostre o seu rosto e nos conceda a paz!

 

5º Círculo – João 6, 1-15

Saciai os vossos filhos, ó Senhor!

(Salmo 144)

Acolhida

  1. Um canto inicial
  2. Criar um bom ambiente. Dar as boas-vindas. Colocar as pessoas à vontade.
  3. Apresentar brevemente o assunto que vai ser refletido, meditado e rezado neste encontro.
  4. Invocar a luz do Espírito Santo.

 Despertando o ouvido para a escuta da Palavra

Dirigente: No texto de hoje, vamos refletir a história da multiplicação dos pães. O povo ia atrás de Jesus, porque via os sinais que ele fazia para os doentes. Era um povo faminto e doente, como um rebanho sem pastor. Estava desorientado. Buscava sinais, buscava um líder. Seguia a Jesus, porque enxergava nele o novo líder, capaz de resolver os seus problemas. Vendo aquela multidão de gente que o procurava, Jesus confronta os discípulos com a fome do povo. Alguma coisa tinha de ser feita!

Leitor 1. Vamos agora ouvir a Palavra de Deus. A leitura do texto da Bíblia é um momento solene. É Deus quem nos dirige a palavra. Por isso, vamos abrir o coração para Ele, cantando um canto de aclamação.

  1. b) Canto de aclamação: a critério.
  2. c) Leitura do texto: João 6, 1-15
  3. d) Momento de silêncio para a Palavra de Deus poder calar dentro de nós.

 Vivendo a Palavra

Dirigente: Jesus pede para o povo se acomodar na grama. Em seguida, multiplica o sustento, a ração do pobre. Diz o texto: “Jesus tomou os pães e, depois de ter dado graças, distribuiu-os aos presentes, assim como os peixes, tanto quanto queriam!” Com esta frase, escrita no ano de 100 depois de Cristo, João evoca o gesto da Ceia, do jeito que era celebrada nas comunidades (1Cor 11,23-24). A Ceia Eucarística, quando celebrada como deve, levará as pessoas à partilha como levou o menino a entregar seu sustento para ser partilhado (João 6,10-11).

Leitor 1. Jesus manda recolher a sobra do pão. Recolheram 12 cestos. O número 12 evoca a totalidade do povo com suas 12 tribos. João não informa se sobrou algo dos peixes. É que o interesse dele era evocar o pão como símbolo da Ceia Eucarística. João não descreve a Ceia Eucarística, mas descreve a multiplicação dos pães como símbolo do que deve acontecer nas comunidades e no mundo, através da celebração da Ceia Eucarística (João 6,12-13).

Para refletir

  1. Temos colocado o pouco que possuímos sob a bênção de Deus?
  2. Seguramos alguma coisa que não queremos partilhar, dividir?
  3. A nossa lógica é do acúmulo, da centralização, do cada um por si ou é a lógica de Jesus, da partilha, da mão que se abre?
  4. Qual é o novo olhar a partir da Palavra?

Vamos rezar o Salmo 22: Rezar na Bíblia.

– Pai nosso

– Ave Maria                                                                                                                      Bênção BÍBLICA: Invoquemos com confiança, a bênção do Senhor: O Senhor nos abençoe e nos guarde! O Senhor nos mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de nós! O Senhor nos mostre o seu rosto e nos conceda a paz!

COMPARTILHAR