“O que virá a ser este menino”?

Hoje, na Solenidade de São João Batista, esta pergunta nos lança à pergunta que durante toda a nossa vida não se cala, pois faz referência e dura toda a nossa existência. Alguém que quer ser alguém, não pode não perguntar-se sobre a sua origem e destino.

A busca e a resposta à esta questão fundamental é que garantem a nossa realização ou frustração. Neste nosso tempo em que grita-se que cada um pode ser o que quiser, ignora aquilo que hoje a Palavra de Deus coloca bem à nossa frente. Não somos nós quem nos determinamos; a nossa realização não pode, por isso, ser determinada por nós.

A contemplação da Natividade deste Profeta do AT e NT, faz-nos mergulhar nos planos inescrutáveis de Deus Criador. Ele tem tudo em suas mãos e tudo conduz com seu olhar amoroso. Cada um de nós, por Deus é pensado antes de ser chamado à existência; cada um é um milagre mais que patente da Bondade Divina; cada um que vem a este mundo, não importa de que modo, é de Deus que recebe o ser e a missão. O ser para existir e a missão para se realizar. Através dela é que é possível, se realizada, encontrar nossa identidade, felicidade e salvação; o dela fugir é a garantia trágica da frustração neste mundo, perigando a frustração eterna ou o inferno.

Sendo Deus nosso Criador; tendo-nos pensado antes mesmo de sermos concebidos; tendo-nos chamado à vida, não poderia, porque não o quer, não ter-nos preparado para poder alcançar aquilo mesmo que nos quer dar, pois para isso é que nos cria. Deus não é um motor imóvel, que nos lança na existência e nos deixa à mercê do acaso. Ele é Bondosa Providência que tudo mantém e nos quer junto de Si.

No nascimento de São João Batista, contemplamos como Deus o concede à um casal de idade avançada como uma graça, pois faz a estéril conceber. Como fizera a Abraão e Sara, faz o mesmo com Zacarias e Isabel. A finalidade, porém, não é a manifestação da sua Glória e Poder simplesmente, mas sim, a condução do seu Plano de Salvação, pouco antes anunciado à Virgem, não só deles, mas de toda a Humanidade, pois João é quem primeiro reconhece Aquele que iria indicar como o Cordeiro que tira o pecado do mundo; reconhece e se alegra antes de todos, pois é esta alegria da Salvação que anunciará, com a condição da penitência e conversão, que purificam e preparam os caminhos do Senhor.

Seu nome, dado por Ana e depois confirmado por Zacarias, rompe com a tradição familiar, pois algo maior estava surgindo: João, pois “Deus faz graça”, isto é, será a partir dele que o anúncio e início do tempo da graça se faz presente na História.

Aproveitemos, caros irmãos, esta graça que começou e perdura até que volte o Senhor. Não queiramos ser o que nós quisermos, pois é este o grito de Satanás que se faz presente no nosso tempo. O seu “non serviam” tenta sempre se impor àquela humildade que São João representa, alguém que se coloca abaixo do escravo, pois sabe-se sequer digno de desamarrar as sandálias dAquele que anuncia e indica como Salvador.

Aproveitemos e creiamos nas promessas de Deus, para não ficarmos mudos diante da pergunta, cuja resposta é Deus quem pode nos dar. O que seria o menino sua vida respondeu, pois realizou o que Deus havia lhe preparado como missão.

Aproveitemos e não nos furtemos de pedir a Deus a resposta sobre quem somos e o que devemos fazer nesta vida. Sua graça vem sempre em nosso socorro para que descubramos, cumpramos e sejamos realizados e felizes, aqui e junto dEle no Eterno Dia.

Que São João Batista rogue a Deus por nós, afim de que creiamos para não ficarmos mudos; mas que creiamos e possamos cantar com Zacarias o seu Benedictus: “Bendito seja o Senhor Deus de Israel, que a seu povo visitou e libertou; e fez surgir um poderoso Salvador na casa de Davi, seu servidor, como falara pela boca de seus santos, os profetas desde os tempos mais antigos, para salvar-nos do poder dos inimigos e da mão de todos quantos nos odeiam.

Assim mostrou misericórdia a nossos pais, recordando a sua santa Aliança e o juramento a Abraão, o nosso pai, de conceder-nos que, libertos do inimigo, a ele nós sirvamos sem temor; em santidade e em justiça diante dele, enquanto perdurarem nossos dias.

Serás profeta do Altíssimo, ó menino, pois irás andando à frente do Senhor para aplainar e preparar os seus caminhos, anunciando ao seu povo a salvação, que está na remissão de seus pecados; pelo amor do coração de nosso Deus, Sol nascente que nos veio visitar lá do alto como luz resplandecente a iluminar a quantos jazem entre as trevas e na sombra da morte estão sentados e para dirigir os nossos passos, guiando-nos no caminho da paz.”

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

COMPARTILHAR