Download Free FREE High-quality Joomla! Designs • Premium Joomla 3 Templates BIGtheme.net
Home / Notícias da Diocese / HOMILIA NO XIX DOMINGO COMUM A

HOMILIA NO XIX DOMINGO COMUM A

Louvado Seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Irmãos e irmãs, Deus é sempre surpreendente em seus caminhos. Nossa relação com Ele é daquelas onde a monotonia e o tédio não encontram lugar. Deus é surpreendente, pois sendo Amor é constantemente movido a se dar a nós e a ser buscado por nós. Não há quem, uma vez amando, que se coloque numa atitude de marasmo e indolência. É próprio da natureza do Amor se dar e ser buscado, e é nesse movimento, mesmo produzindo a calma, o repouso, a felicidade, enfim, que se caracteriza toda relação de genuíno amor.

Semana passada, havia dito que o amor é uma partilha de vida, mais do que simplesmente um sentimento movido por interesses mesquinhos e egoístas e isto em razão de que o interesse do amor é o não-interesse e este nada mais é do que ver em tudo o ser amado ser feliz. Sua felicidade é seu interesse. Se há no amor algum interesse possível é esse: o bem do amado. Ora, considerando isto, como tal objetivo de vida pode levar ao cansaço, à monotonia, ao marasmo?… Deus nos ama assim. Sua felicidade e alegria é nossa felicidade e alegria, mas estas de modo verdadeiro, não ilusório e por isso, constantemente nos ensina o modo justo de encontrá-Lo, nos atraindo para o eterno abraço…

Hoje as leituras que ouvimos nos iluminam e dão sentido à esta nossa busca. A I leitura narrou-nos o episódio de Elias que obedecendo ao Senhor subiu ao Horeb e esperou-o. Era necessário voltar à fonte da fé e do amor, o Monte de Deus. Houve os sinais da manifestação de Deus: “uma forte rajada de vento”; um terremoto; um fogo. Em nenhuma destas manifestações que chamam a atenção, o Senhor estava. Era dessa forma que os israelitas costumavam perceber a presença de Deus. Também nós gostaríamos que assim o Senhor sempre se manifestasse em nossas vidas: com poder e glória! Mas de que modo o Senhor mostrou-se a Elias? “Depois do fogo, ouviu-se uma ligeira brisa”… Uma ligeira brisa… Realidade quase imperceptível… A maior parte da nossa vida é comum, sem grandes acontecimentos. Somente, aqui e ali, alguns grandiosos que iluminam todo o resto que é também como brisa suave… E nós, tão desatentos, achamos que a nossa vida não tem sabor nem sentido, porque não é como o trovão, como o terremoto, não é como o fogo ou um forte vento a fundir a rocha… Como somos insensatos, tolos e lentos para percebermos a suavidade da Vida e do Amor! A nossa vida e a nossa felicidade não pode consistir no brilho de fogos de artifício que iluminam a noite, mas quase não duram!…

O Senhor faz-se presente, na ligeira brisa… Esta imagem chega a ser comovente, mas ao mesmo tempo, possui uma força tremenda a fundir nosso modo de conceber a manifestação de Deus.

Caros irmãos, dia 04 foi o dia dos Padres. Com o dom do sacerdócio à sua Igreja, o Senhor quis dar algo muito maior. Quis, pelo Sacerdócio dar-Se a Si mesmo. É pelo Ministério Sagrado dos Sacerdotes, que o Senhor continuamente se faz presente na Igreja e, por Ela, no mundo e em nossas vidas. O Senhor faz-se presente! O Senhor! Mas, como ligeira brisa… O Onipotente e Bom Senhor, o Criador de todas as coisas envia seu Espírito para transformar o pão e o vinho, alimentos ordinários, através do Seu Sacrifício, no Seu Corpo e Sangue. O Evento da nossa Salvação, a Morte e a Ressurreição de Cristo se faz presente diante dos nossos olhos, sob o véu do Sacramento. Deus, caros irmãos, Deus Altíssimo desce dos Céus às palavras pronunciadas pelo Sacerdote, tornadas presente aos nossos ouvidos pela voz de um pobre pecador… Deus “obedece a um pecador”!… É a audácia do Amor! Dá-se porque ama; ama por isso se dá; dá-se porque quer unir-se; quer unir-se porque somente assim haverá a felicidade do amado na santificação que produz…

Isto é belo e assombroso ao mesmo tempo! Mas consideremos como Deus realiza tal prodígio. Sob frágeis sinais ordinários do pão e do vinho, através de um que Ele tira do meio do povo para devolvê-lo como servidor deste mesmo Povo Seu… Mas muitos não querem, não aceitam, não crêem que o Amor seja sim audaz. Sim, não crêem porque não amam. Somente os que amam, entendem a lógica ilógica do amor que muitas vezes parece loucura…

Mas Deus ama a tal ponto de não temer ser rejeitado por nós, seus amados. Ele o faz de modo a não se impor e também a não atrair pelo brilho de bijuteria ou dos fogos de artifício. Ele quer que nós o busquemos e a Ele nos entreguemos…

Consideremos o Evangelho. A Barca de Pedro é símbolo da Igreja, o mar agitado símbolo da história e das adversidades. Ela está agitada pelos ventos contrários… Assim, é uma cena em que contemplamos a história da Igreja em todas as épocas, história também da nossa vida cristã tantas vezes agitada para lá e pra cá… E o Senhor parece ausente, retirado, sozinho… Mas em tudo isso, Ele também vem ao nosso encontro sobre as águas do mar da vida… Mas nós não O reconhecemos como os discípulos; também nós gritamos de medo, de pavor por não compreender a audácia do Amor que vem ao nosso encontro. Mas o Senhor nos diz: “Sou Eu. Não temais”! Mas como Pedro desafiador, também pedimos: “Se és Tu, Senhor, manda-me ir ter contigo sobre as águas”. O Senhor responde: “Vem”! E nós, com fé vacilante, porque queremos grandes sinais não compreendendo a audácia do Senhor, afundamos… E só mesmo quando estamos afundando, gritamos: “Salva-me Senhor!” Ao que o Senhor nos estende a mão, não sem nos repreender como a Pedro: “Homem de pouca fé, porque duvidaste?”

Assim somos nós!… Pobres de nós que queremos ventos fortes, terremotos e fogo… mas não a ligeira brisa do Amor que se arrisca, mesmo sobre as ondas revoltas… queremos também andar sobre ondas, mas sem a devida fé… movida pelo interesse, mas não pelo amor…

Há ainda outro ponto. A nossa salvação só se dá, os ventos contrários somente se acalmam quando entramos na Barca da Igreja. Sim, pois é o lugar em que o Senhor nos quer salvar e manter em segurança; é ela o estandarte de salvação erguido entre as Nações para tornar presente no mundo o próprio Deus pela Sua Palavra, pelos Sacramentos e pela vida da Graça, posto que Israel não quis, pelo que São Paulo se lamenta e se dispõe a oferecer a vida; mesmo que, caros irmãos, o mundo e muitos a ataquem de fora e de dentro ao longo da História e no nosso tempo, é nela, na Igreja, o lugar onde todos somos chamados a confessar, prostrados e com o rosto coberto, sobre as ondas revoltas, vencidas pelo poder de Cristo: “Tu és verdadeiramente o Filho de Deus.”

E à Igreja, e nela a nós, que Ele diz como à Esposa do Cântico dos cânticos 2, 11-13: “Levanta-te, amada minha, formosa minha, e vem. Pois eis que já passou o inverno; a chuva cessou, e se foi; aparecem as flores na terra; já chegou o tempo de cantarem as aves, e a voz da rola ouve-se em nossa terra. A figueira começa a dar os seus primeiros figos; as vides estão em flor e exalam o seu aroma. Levanta-te, amada minha, formosa minha, e vem”. Caminhemos, pois, confiantes sobre as águas revoltas; não temamos, mas escutemos a voz do Amado que se arrisca continuamente, por amor, se oferecendo a nós… E digamos, como a Esposa: “O meu Amado é meu e eu sou dele”! (Ct 2, 16).

Louvado Seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Por Pe Samuel Pereira Viana

Check Also

BAIRRO DO NORDESTE EM GUARABIRA ENCERRA OS FESTEJOS DE NOSSA SENHORA DE GUADALUPE

Na noite de ontem, uma multidão de fiéis se reuniram na frente da Matriz para …