Queridos e estimados diocesanos, paz e bem!

“Segundo uma teoria, a origem da palavra “carnaval” vem do latim “carne vale”, “adeus à carne”, pois no dia seguinte começava o período da Quaresma, tempo em que os cristãos se abstêm de comer carne, por penitência. Daí que, ao se despedirem da carne na terça-feira que antecede a Quarta-Feira de Cinzas, se fazia uma boa refeição, com carne evidentemente, e a ela davam adeus. Tudo isso, só explicável no ambiente cristão, deu origem a uma festa nada cristã. Vê-se como o sagrado e o profano estão bem próximos, e este pode contaminar àquele. Como hoje acontece com as festas religiosas, quando o profano que nasce em torno do sagrado, acaba abafando-o e profanando-o. Isso ocorre até no Natal e nas festas dos padroeiros das cidades e vilas. O acessório ocupa o lugar do principal, que fica prejudicado, esquecido e profanado. ”(Dom Fernando Rifan)

Nos anos 70, na semana antes do Carnaval, em uma crônica radiofônica, Dom Helder Câmara, então arcebispo de Olinda e Recife, afirmava: “Carnaval é a alegria popular. Direi mesmo, uma das raras alegrias que ainda sobram para a minha gente querida. Peca-se muito no carnaval? Não sei o que pesa mais diante de Deus: se excessos, aqui e ali, cometidos por foliões, ou farisaísmo e falta de caridade por parte de quem se julga melhor e mais santo por não brincar o carnaval. (…) Brinque meu povo querido! Minha gente queridíssima. É verdade que quarta-feira a luta recomeça. Mas, ao menos, se pôs um pouco de sonho na realidade dura da vida!” (“Um olhar sobre a cidade”, 01/ 02/ 1975).

Hoje, neste momento histórico de violência, tantos abusos e a devassidão que acontecem nesses dias de folia, muitos cristãos preferem se retirar do tumulto e se entregar ao recolhimento e à oração. É o que se chama “retiro de Carnaval. “O barulho não faz bem e o bem não faz barulho”, dizia São Francisco de Sales.

Aqui, na nossa Diocese temos opções de retiro de Carnaval. Busquemos a tranqüilidade desses dias na presença d’Aquele que nos convida a permanecer na alegria.

A alegria é um dos frutos do Espírito Santo. Esta alegria está ao alcance de todos os cristãos que, estão dispostos a viverem na amizade com Deus, no seu amor e servindo-o de todo coração.

Bom descanso e recolhimento para todos!

Dom Aldemiro Sena – Bispo de Guarabira – PB

COMPARTILHAR