Dom Lucena - Entrevista
Bispo de Guarabira, Dom Lucena, durante entrevista

O bispo diocesano de Guarabira, dom Lucena, manifestou preocupações diante do momento atual vivido pelo país. “Vivemos uma profunda crise política, econômica e institucional que tem como pano de fundo a ausência de ética e muito egoísmo e individualismo”, pontuou o bispo.

Dom Lucena, secretário do Regional Nordeste 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, ainda recordou a necessidade de buscar, sempre, o exercício do diálogo e do respeito.

O religioso demonstrou preocupação com o fechamento de empresas e o crescimento do número de desempregados, pedindo que os brasileiros não embarquem nos discursos falsos e notícias infundadas que circulam na grande mídia, pedindo um julgamento mais consciente.

O bispo usou o exemplo do Papa Emérito Bento XVI, que em 2013 comunicou sua renúncia ao reconhecer que não tinha condições plenas de governabilidade, para pedir aos políticos que sejam humildes e percebam suas limitações a fim de abrir mão de cargos e status  para o bem coletivo.

As declarações do prelado católico sugerem a renúncia da presidente da República. Ele disse que o processo de impedimento é uma reposta à crise moral e política que o país vive e que afeta as instituições. Dom Lucena afirmou que esse processo não pode se prolongar muito. Deve se chegar a uma solução imediata e não distante.

“Eu lembro que, quando na Igreja o papa Bento XVI deu uma grande demonstração, quando, sentindo poucas forças e já sua vida fragilizada, o Papa renunciou. Por que também no Brasil quando as pessoas estão sem mais forças para governar não renunciam?”, questionou Lucena, um dos bispos mais importantes do Nordeste.

As declarações de Dom Lucena foram concedidas a Pastoral da Comunicação da Diocese de Guarabira. Ouça:

Pascom

COMPARTILHAR