Neste sábado (13), a Pastoral Carcerária da Diocese de Guarabira reuniu 42 agentes de pastoral no Cruzeiro de Roma, em Bananeiras, para um retiro espiritual meditando sobre a necessidade e importância do silêncio como também meditando sobre o mandato missionário apresentado no capítulo 10 de Mateus. Além de leigos e leigas, registrou-se a presença de padres e religiosas.

Para que uma pessoa seja agente de pastoral deve por primeiro receber o chamado de
Deus: um chamado que acontece a partir de pessoas e ou acontecimentos.
Depois de chamada é motivada pelo Espírito e pela palavra de Deus para trabalhar em
favor das pessoas mais pobres e excluídas.

Assim, podemos perceber que o Agente de pastoral não é simplesmente um possuidor
de conhecimentos, mas aquela pessoa que assume um compromisso de vida. Trata-se
de alguém que é uma verdadeira testemunha da presença de Deus na vida das
pessoas. Pessoas que primeiro acolhem a Palavra e procura vivê-la, mostrando assim,
que Deus caminha ali junto com os anseios e as alegrias do povo. Pois, quando alguém
é chamado e vai à missão até à pessoa privada da sua liberdade, é Deus mesmo quem
está ali visitando (Jr 1, 4-10).

A bíblia está cheia de exemplos de pessoas que entregaram suas vidas a Deus e nele
confiaram.

Características da Pastoral Carcerária

1) Está junto das pessoas privadas de liberdade. Só a proximidade que nos faz amigos nos permite apreciar profundamente os valores das pessoas privadas de liberdade, seus legítimos desejos e seu modo próprio de viver a fé. À luz do Evangelho reconhecemos sua imensa dignidade e seu valor sagrado aos olhos de Cristo, pobre como eles e excluído como eles. Desta experiência cristã compartilharemos com eles a defesa de seus direitos”. (DA.398)

2) Busca a Libertação integral. Consciente de que precisa enfrentar as urgências que decorrem da violência e da miséria do sistema prisional, o agente de Pastoral Carcerária sabe que não pode restringir sua solidariedade ao gesto imediato da doação caritativa. Embora importante e mesmo indispensável, a doação imediata do necessário à sobrevivência não abrange a totalidade da opção às pessoas privadas de liberdade. Antes de tudo, esta implica convívio, relacionamento fraterno, atenção, escuta, acompanhamento nas dificuldades, buscando, a partir das pessoas privadas de liberdade, a mudança de sua situação. Aspessoas presas são sujeitos da evangelização e da promoção humana integral. (CNBB – Nº 94, parg. 71)

3) Luta para cancelar toda legislação e normas contrárias à dignidade e aos direitos fundamentais às pessoas privadas de liberdade, assim como as leis que dificultam o exercício da liberdade religiosa em benefício dos reclusos e busca, a quem transgride o caminho, o resgate e uma nova e positiva inserção na sociedade.

4) Respeita a dignidade da pessoa humana. Isso significa tratar o ser humano como fim e não como meio, não o manipular como se fosse um objeto; respeitá-lo em tudo que lhe é próprio: corpo, espírito e liberdade; tratar as pessoas presas como ser humano sem preconceito nem discriminação, acolhendo, perdoando, recuperando a vida e a liberdade de cada um, denunciando os desrespeitos à dignidade humana e considerando as condições materiais, históricas, sociais e culturais em que cada pessoa vive.

Pascom – Pastoral da Comunicação
Diocese de Guarabira

COMPARTILHAR