Aconteceu neste sábado (28), saindo de Casserengue com destino ao Santuário do Padre Ibiapina, em Santa Fé, a 21ª Romaria da Terra e das Águas, organizada pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) da Diocese de Guarabira com o tema “terra e água, preserve o que é de todos”, e reuniu centenas de romeiros, na sua maioria integrantes das pastorais sociais, trabalhadores sem-terra e agricultores provenientes de várias paroquias. O bispo diocesano de Guarabira, Dom Aldemiro Sena dos Santos, presidiu a celebração eucarística que abriu o evento. Em Santa Fé, Gilvanisa Maia e convidados, animaram os participantes.

A Romaria tem por característica ser um momento de profecia, manifesto, denúncia e fortalecimento da caminhada pastoral e social em busca de luzes e saídas para as situações que ameaçam e ferem, especialmente, as pessoas que vivem da agricultura. Por longos anos esta Romaria foi realizada e ajudou a muitos na luta pelos direitos e na implementação de políticas públicas.

Para o padre Marinaldo Flor, da Paróquia de Casserengue e do setor social diocesano, essa romaria é um momento privilegiado para celebrar a fé e o compromisso com o Reino de Jesus: “o propósito da romaria era de reanimar, não só os agentes da CPT ou agentes que atuam junto ao campo nas pastorais, mas também os movimentos sociais que lutam em defesa dos mais pobres e é essa, então, a importância dessa grande celebração, motivar as comunidades”, afirmou.

A diversidade das Romarias

A CPT realiza Romarias da Terra desde 1978. As primeiras se deram no Rio Grande do Sul e em Bom Jesus da Lapa, Bahia. Há grande diversidade de Romarias, tanto pela periodicidade com que são realizadas, quanto aos locais. Algumas são realizadas pelos regionais anualmente, outras a cada dois ou três anos. Outras não têm periodicidade definida. Alguns regionais realizam suas romarias em lugares tradicionais de romaria. O mais comum é que as Romarias da Terra se realizem em lugares marcados por algum fato significativo da luta pela terra: um conflito, a conquista da terra, etc. A maior parte das Romarias é de âmbito regional ou estadual. Algumas são diocesanas. Na primeira década do ano 2000, as Romarias começaram a se chamar de Romarias da Terra e das Águas.

PASCOM – Pastoral da Comunicação