Caminho da bem-aventurança: alegria e compromisso de quem luta por vida.

1º Círculo–Mateus 5, 1- 12

Abertura

1 – Preparar o altar com panos de cores diferentes, colocar tiras de papel com palavras do texto da bem-aventurança, uma Bíblia e vela.

2- Canto para começar o encontro e animar as pessoas.

3- Acolhida

4- Invocação da força da luz do Espírito Santo.

ORAÇÃO:Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da terra.

OREMOS: Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de sua consolação. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

O que nós pensamos sobre o assunto

Dirigente: Hoje,temos um assunto muito especial, com um texto bíblico que todos nós conhecemos e que é de grande importância para a nossa tradição cristã: No tempo de Jesus, ser bem-aventurado significava estar no caminho certo, marchando em direção à justiça e construção da paz. Mas escolher o caminho da bem-aventurança nos leva a assumir compromissos e responsabilidade com o projeto de Deus, que quer vida para toda a criação.

1- Para cada um de nós, o que significa serbem-aventurado?

2- Conhecemos pessoas que podem considerar-se bem-aventuradas? Como é a vida dessas pessoas?

Ler a palavra de Deus e meditar sobre ela

Dirigente: Em espírito de alegria e oração, vamos acolher as palavras e boas novas que o Evangelho tem a nos dizer:

1-Canto para acolher a Palavra

2-Leitura do texto de Mateus 5, 1- 12

3-Meditaçãosobre o texto:

-Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto:

  1. Quem são as pessoas consideradas bem-aventuradas por Jesus neste texto?

2.Quais são as promessas feitas àquelese  àquelas que se colocam no caminho da bem-aventurança?

  1. Quais são os compromissos e as consequências para aqueles e aquelas que aceitam seguir o caminho da bem-aventurança?
  2. Nos dias de hoje, o que precisamos fazer para seguir o caminho da bem-aventurança?

– Celebrar e assumir a Palavra de Deus na vida.

Dirigente: O Evangelho de Mateus abre o Sermão da Montanha com as bem-aventuranças, que querem ser incentivoà caminhada de todas as comunidades cristãs, que, por assumirem radicalmente o projeto de vida de Jesus, podem ser perseguidas e caluniadas. É importante lembrarmos que este texto não quer conformar as pessoas com a situação que estão vivendo a espera de promessas para um mundo futuro, mas, sim, reanimar cada um de nós a continuar esse bonito caminho de resistência e construção do tão esperado reino dos céus.

Leitor 1: Também hoje em dia, as bem-aventuranças devem reanimar a nossa comunidade, levando-nos a lutar por terra para quem está sem terra;justiça, a quem é injustiçado; misericórdia aos que fraquejam; e vida aos que estão morrendo.

Leitor 2: Como compromisso até o nosso próximo encontro, podemos meditar diariamente sobre cada uma das bem-aventuranças, reservando um tempinho do nosso dia para oração e meditação, tentando perceber quem são os pobres, injustiçados de nossa sociedade que choram (e por quem choram). Também vamos assumir o compromisso de trazer algo para partilhar (bolo, doces, pipoca, chá, café…) para nosso próximo encontro.

Dirigente: Por fim fazemos memória de todos os que tombaram e foram martirizados, por escolherem o caminho da vida e da bem-aventurança. Oremos, cantemos juntos.

Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

  1. Canto:à escolha do grupo
  2. Oração: Pai nosso
  3. Abraço da paz
  4. Bênção final

2º Círculo –Lc 21, 5-19

O Senhor virá julgar a terra inteira; com justiça julgará. Sl 98 (97)

 Abertura

1.Preparar o altar com uma Bíblia e velas

2.Canto para iniciar o encontro

3.Acolhida feita por uma pessoa da casa

4.Invocação da força e da luz do Santo Espírito

ORAÇÃO:Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da terra.

OREMOS: Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de sua consolação. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

O que nós pensamos sobre o assunto

Dirigente: Hoje, vamos refletir sobre a grandiosidade do Templo aos olhos de Jesus. Quem olhava só as aparências, realmente ficava impressionado (a) com a obra, mas Jesus olhava mais a fundo, via o peso que isso representava para o povo:

 

1- Para cada um de nós, o que significa não ficará pedra sobre pedra, tudo será destruído?

2- Será que Jesus saberia o que iria acontecer?

Ler a Palavra de Deus e meditar sobre ela

Dirigente: Vamos agora escutar e compreender como Jesus via mais além do que os apóstolos.

1-  Canto para acolher a Palavra

2- Leitura do texto de Lucas 21, 1-19

3- Meditação sobre o texto:

 

-Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto:

 

  1. O que significa a destruição do Templo e da cidade Santa
  2. De acordo com as tribulações dos últimos tempos, o que fará parte da vidade quem quiser ser discípulo (a) de Jesus?
  3. Mas, antes das tribulações,a Boa Notícia deve ser anunciada a todas as nações – Então depois que todos os povos tiverem sido evangelizados, o mundo vai terminar?
  4. O evangelho que acabamos de ouvir fala do fim do mundo. Quando vai acontecer ea qual mundo está se referindo?

Celebrar e assumir a Palavra de Deus na vida

Dirigente: Não ficará pedra sobre pedra,tudo será destruído. De fato,o templo foi completamente arrasado pelos romanos no ano 70 depois de Cristo. Será que Jesus sabia o que iria acontecer?  – Do jeitocomo iam as coisas e a política, dava para perceber o que iria acontecer. Jesus mostrava que ele prestava muita atenção e acompanhava o que acontecia ao seu redor. Mantinha-se informado para ajudar os outros a discernir as coisas.

Leitor 1: V 9 – Entregarãovocês aos tribunais. Vocês serão torturados nas sinagogas – AsComunidadesque assumiam uma postura crítica diante do Impériosofreram tudo isso. As Comunidades recordavam que Jesus havia prevenido para as consequências de sua fidelidade. Com isso se animavam, poisestavam no caminho certo.

Leitor 2: V 10 – Mas antes, a Boa Notícia deve ser anunciada a todas as nações – Então, quando todos os povos estiverem sido evangelizados, o mundo vai terminar? O texto está falando da destruição de Jerusalém e não do fim mundo.

Dirigente: V 12 – Um irmão entregará seu próprio irmão à morte, e o pai entregará o filho. Quando as pessoas assumem com radicalidade o projeto de Jesus, isto causa divisões até na família. E houve momento no início das comunidades, onde as brigas ficaram tão quentes que uns entregavam os outros aos perseguidores, pois achavam que era um perigo ter umsubversivo dentro das comunidades.

Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

  1. Canto: à escolha do grupo
  2. Oração: Pai nosso
  3. Abraço da paz
  4. Bênção final

3º Círculo–Lc 23, 35-43

Quanta alegria e felicidade: vamos à casa do Senhor!Sl 122 (121)

 Abertura

1-Preparar o altar com uma Bíblia e velas

2- Canto para iniciar o encontro e animar as pessoas.

3- Acolhida feita por uma pessoa da casa

4-Invocação da força e da luz do Santo Espírito

ORAÇÃO:Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da terra.

OREMOS: Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de sua consolação. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

O que nós pensamos sobre o assunto

Dirigente:

Hoje, vamos refletir quem é Jesus? Um pobre coitado, abandonado por todos e por Deus, digno de pena e compaixão? Um derrotado, um desiludido, um frustrado e um pretensioso, humilhado? Ou um justo por excelência, querevela afidelidade de Deus até as últimas consequências, e que confia em Deus de forma radical e que é salvo pelo Pai?

  1. Qual sofrimento se tem enfrentado. hoje?
  2. Conheço pessoas que estão passando por algum tipo de sofrimento?
  3. Por que as pessoas boas sofrem?

Ler a palavra de Deus e meditar sobre ela

Dirigente: Vamos agora escutar e compreender como Jesus agia diante da fome, da lei e dos costumes religiosos.

1-Canto para acolher a Palavra

2- Leitura do texto de Lucas 23,35-43

3- Meditação sobre o texto:

 

Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto:

  1. Por que Jesus morreu para nos salvar? Ou seja, aceitou sofrer por nossa causa?
  2. Quais os personagens que aparecem no texto?
  3. Como o texto descreve as atitudes de Jesus ante a condenação e a morte?

– Celebrar e assumir a Palavra de Deus na vida

Dirigente: Obrigaram Simão a carregar a cruz de Jesus – Aparece mais uma vez o prevalecimento dos soldados, que obrigam um humilde camponêsa carregar a cruz do condenado, já sem forças para fazê-lo; o gesto de Simão Cireneu sempre serviu como um exemplo de ajuda solidária ao pobre sofredor.

Leitor 1: Deram-lhe vinho misturado com mirra, mas ele não tomou; os soldados queriam dar ao condenado uma espéciedeentorpecente, para que ficasse meio fora de si: Assim, ele poderia enfrentar mais facilmente os tormentos da crucificação. Jesus não aceitou este entorpecente.

Leitor 2: Repartiram as roupas dele – Estedetalhe da crucificação de Jesus lembra o que o salmo 22 dizo que é uma oração do justo no meio de terríveis sofrimentos. Na oração o justo também diz “Repartem entre si minha túnica tiram sorte”. Isto mostra que Jesus não é um bandido, mas o justo que sofre por causa da sua fidelidade ao projeto do Pai.

Dirigente: ComEle crucificaram dois bandidos – Isso mostra que a crucificação não era um fato isolado. Muitos eram crucificados. Quem sofria esta pena? Eram principalmente os que se revoltavam contra a dominação romana. E havia muitas revoltas contra a presença dos romanos na região dos judeus e também de outros lugares; os revoltados usavam, muitas vezes, métodos violentos, e eram considerados como bandidos. Jesus é crucificado junto com dois deles. Isso ajuda a entender o que as autoridades pensavam dele. A crucificação era um método de dar um castigo exemplar, para que ninguém mais se arriscasse a revoltar-se.

Leitor 1: As pessoas que passavam por aí o insultavam – Aparecem vários grupos e todos fazem a mesma coisa: insultam Jesus com provocações que devem ter cortado o coração dele. Todos eles ficavam rindo do fato de Jesusnão conseguirsalvar-se asi mesmo, descendo milagrosamente da cruz. Se ele fizesse isso,  eles reconheceriama divindade dele. Mas Jesus manifestou a divindade justamente dentro da fragilidade. Revelou que Deus não é aquele que salva a si mesmo, mas aquele que morre por fidelidade ao compromisso libertador. Esse é o sinal da divindade, que todo aquelepessoal nãoviue não quis ver.

Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

  1. Canto: à escolha do grupo
  2. Oração: Pai nosso
  3. Abraço da paz
  4. Bênção final

4º Círculo – Mt 24, 37-44

A chegada do fim do mundo. Atenção! Deus chega a cada momento

Abertura

1-Preparar o altar com panos, Bíblia e velas.

2- Canto para começar o encontro e animar as pessoas.

3- Acolhida feita por uma pessoa da casa

4- Invocação da força e da luz do Santo Espírito

ORAÇÃO:Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da terra.

OREMOS: Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de sua consolação. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

– O que nós pensamos sobre o assunto

Dirigente: Hoje vamos refletir sobre o fim do mundo de que Jesus fala. Um mundo de muitos clamores, no qual o gemido dos que sofrem às vezes passa despercebido, em razão da correria do dia a dia. Aprender da pedagogia divina é aprender a escutar e a ver sempre quaissãoas situações de opressão e esperança de libertação vivida por nós e por nosso povo. O novo mundo da vidasem morte ultrapassatudo, como a árvore ultrapassa a semente (1Co 15, 35-38). A única maneira de contribuir para que chegue o fim e venham da face de Deus os tempos de refrigério (At 3, 20) e dar testemunho do Evangelho em todo canto, até os confins da terra (At 1,8).

1 . Quando será o fim do mundo?

2 . Quando dizemos “fim do mundo” de que mundo estamos falando?

– Ler a palavra de Deus e meditar sobre ela

Leitor 1: Vamos ouvir um trecho do discurso de Jesus sobre o fim do mundo. Durante a leitura prestemos atenção nas comparações que Jesus usou para transmitir sua mensagem.

Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

  1. Canto para acolher a Palavra
  2. Leitura do texto de Mateus 24, 37-44
  3. Meditação sobre o texto:

Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto:

1.Vamos lembrar, juntos (as) o texto que foi lido. O que mais chamoua sua atenção?  Por quê?

  1. Jesus diz claramente que ninguém conhece a data do fim do mundo, nem os anjos, nem o Filho, mas só Deus- Pai. Então, o que ele nos quer ensinar com as comparações da figueira e da história de Noé?
  2. Umapessoa é tomada, a outra é deixada! O que quer ensinar com esta frase?
  3. As comunidades no tempo de Mateus esperavam a vinda do Filho do Homem. E hoje, como nós esperamos a vinda de Jesus?

Celebrar e assumir a Palavra de Deus na vida.

Leitor 2: Como nos dias de Noé: Um será tomado, outro será deixado. Quem determina a hora da chegada é Deus. Mas o tempo de Deus não se mede pelo nosso relógio ou calendário. Para Deus, um dia pode ser igual a mil anos, e mil anos igual a um dia (Sl 90, 42; 1Pd 38). O tempo de Deus corre independentemente de nós. Nósnão podemos interferir nele, mas devemos estar preparados para o momento em que a hora de Deus se fizer presente dentro do nosso tempo. Pode ser hoje, pode ser daqui a mil anos. O que dá segurança não é saber a hora do fim do mundo, mas sim a palavra de Jesus presente na vida. O mundo passa, mas a Palavra dele jamais passará (Is 40,78).

Dirigente: Vigilância: Jesus vem numa hora em que a gente menos espera Deus vem quando a gente menos espera. Pode até acontecer que Ele vem e a gente não percebe a hora da sua chegada. Jesus pede duas coisas: Uma vigilância sempre atenta e, ao mesmo tempo, uma entrega tranquila de quem está em paz. Tal atitude é sinal de muita maturidade, em que se misturam preocupação vigilante e tranquilidade serena e que consegue combinara serenidade do momento com consciência da relatividadede tudo.

Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

  1. Canto: à escolha do grupo
  2. Oração: Pai nosso
  3. Abraço da paz
  4. Bênção final
COMPARTILHAR