1º Círculo – Mateus 21,28-32

Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura

e a vossa compaixão, que são eternas (Salmo 25)

 

 

 

  1. 1. Preparação do ambiente: Colocar em destaque uns sinais de vida: velas acesas, água, flores naturais e a Bíblia.
  2. Canto para motivar a participação das pessoas.
  3. Acolhida: Valorizar as pessoas da casa ou do grupo.
  4. Invocação da força da luz do Espírito Santo.

Espírito Santo, tu que vieste do Pai, e que permaneceste conosco, em Jesus, tu que habitas, pela fé, nos nossos corações, abre-nos à Palavra!

Seja a nossa inteligência e a nossa vontade, terreno bom, onde tu possas trabalhar com liberdade, de modo que a nossa vida seja sinal eloquente da tua caridade. Amém.

Dirigente: Vamos fazer a recordação da vida ou revisão do dia, olhar de perto as coisas da nossa vida.

  1. Chave de Leitura

Leitor 1. As parábolas são uma forma literária, à qual se recorre para tornar compreensível uma realidade que se deseja revelar. Nos evangelhos encontramos quarenta e quatro parábolas. Dentre elas, temos várias que são encontradas nos três evangelhos sinóticos. Outras são próprias de um ou de outro evangelista. Assim temos duas parábolas que são exclusivas de Marcos, nove exclusivas de Mateus, dezoito exclusivas de Lucas, e duas exclusivas de João.

  1. Escutar a Palavra de Deus, que traz luz para a vida.

 

  1. a) Canto de aclamação: a critério.
  2. b) Leitura do texto: Mt 21,28-32 (o que diz o texto)?
  3. c) Momento de silêncio: Interiorização da leitura.
  4. Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto:

Dirigente:  Esta parábola contada por Jesus pode ser entendida como a coerência entre o dizer e o agir. O primeiro filho disse que faria a vontade do pai e não fez. O segundo disse que não a faria e se arrependeu e a fez. O contraste entre as duas atitudes é evidente. Jesus falava a pessoas que se diziam fiéis à Lei e, no entanto, não o acolhiam. Enquanto que outros, pecadores, gente do povo, pobres o acolhiam reconhecendo nele o Filho de Deus, o Messias enviado pelo Pai.

 Para refletir:

  1. Qual dos dois filhos realizou a vontade do pai?
  2. O que o texto diz para nós, hoje?
  3. Somos semelhantes a qual dos dois filhos da parábola?
  4. O que o texto me leva a dizer a Deus?
  5. Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

Dirigente: Com toda confiança, elevemos ao Senhor nossas preces, pois Jesus diz que quem busca encontra, e quem pede recebe.

Preces: (espontâneas)

Resposta: Fortalecei a nossa consciência missionária, Senhor!

  1. Vamos rezar ou cantar o Salmo 25 – na Bíblia Pastoral.
  2. Oração: Pai nosso
  3. Ave Maria
  4. Bênção final

 

2º Círculo – Mateus 21,33-43

“Senhor, tudo está em vosso poder, e ninguém pode resistir à vossa vontade”.

  1. Preparação do ambiente: Colocar em destaque uns sinais de vida: velas acesas, água, flores naturais e a Bíblia.
  2. Canto para motivar a participação das pessoas.
  3. Acolhida: Valorizar as pessoas da casa ou do grupo.
  4. Invocação da força da luz do Espírito Santo.

Espírito Santo, tu que vieste do Pai, e que permaneceste conosco, em Jesus, tu que habitas, pela fé, nos nossos corações, abre-nos à Palavra!

Seja a nossa inteligência e a nossa vontade, terreno bom, onde tu possas trabalhar com liberdade, de modo que a nossa vida seja sinal eloquente da tua caridade. Amém.

Dirigente: Vamos fazer a recordação da vida ou revisão do dia, olhar de perto as coisas da nossa vida.

  1. Chave de Leitura

Dirigente: A vinha é símbolo do povo de Israel. Povo escolhido, que Deus amou de predileção. Povo no qual Ele semeou sua Palavra, com o qual fez aliança, para que pudesse ser luz para todas as nações. De várias formas Deus falou a seu povo. E quantos profetas foram mortos por anunciar a mensagem do Senhor e denunciar o que não estava condizente com a aliança.

  1. Escutar a Palavra de Deus, que traz luz para a vida.

 

  1. a) Canto de aclamação: a critério.
  2. b) Leitura do texto: Mt 21,33-43 (o que diz o texto)?
  3. c) Momento de silêncio: Interiorização da leitura.
  4. Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto:

Dirigente: Convidados/as pelo Senhor somos todos responsáveis pelos frutos do reino edificado a partir de nossas ações. Deus, nosso Pai, o “dono da vinha”, espera que correspondamos com os frutos devidos na época esperada (da colheita), no mundo e nas diversas situações que vivemos.

Leitor 1. A imagem da vinha é muito apreciada no contexto bíblico, pois nos remete à necessidade de um cuidado todo especial, desde o cultivo até a colheita da safra. Em circunstâncias severas de tempo, ter um terreno fértil e de boa produtividade é manter a esperança de um bom resultado pelos frutos esperados.

 Para refletir:

  1. O que o texto diz para nós, hoje?
  2. Quais frutos a nossa vinha tem dado?
  3. Temos produzido os frutos do Reino?
  4. Temos entregado a Deus a nossa colheita
  5. O que o texto me leva a dizer a Deus?

 

  1. Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

Leitor 2. Na oração de hoje, peçamos a graça da humildade; em visita à nossa vinha com Ele, deixar que veja como está, oferecer os frutos e permitir que nos ensine como produzir melhores frutos.

Dirigente: Com toda confiança, elevemos ao Senhor nossas preces, pois Jesus diz que quem busca encontra, e quem pede recebe.

Preces: (espontâneas)

Resposta: Atendei, ó Senhor, nossa prece confiante!

  1. Vamos rezar ou cantar o Salmo 79/80 – na Bíblia Pastoral.
  2. Oração: Pai nosso
  3. Ave Maria
  4. Bênção final

 

3º Círculo – Mateus 22, 1-14

O Senhor é o pastor que me conduz; não me falta coisa alguma. (Salmo 22/23)

  1. Preparação do ambiente: Colocar em destaque uns sinais de vida: velas acesas, água, flores naturais e a Bíblia.
  2. Canto para motivar a participação das pessoas.
  3. Acolhida: Valorizar as pessoas da casa ou do grupo.
  4. Invocação da força da luz do Espírito Santo.

Espírito Santo, tu que vieste do Pai, e que permaneceste conosco, em Jesus, tu que habitas, pela fé, nos nossos corações, abre-nos à Palavra!

Seja a nossa inteligência e a nossa vontade, terreno bom, onde tu possas trabalhar com liberdade, de modo que a nossa vida seja sinal eloquente da tua caridade. Amém.

Dirigente: Vamos fazer a recordação da vida ou revisão do dia, olhar de perto as coisas da nossa vida.

  1. Chave de Leitura

Jesus nos conta uma parábola um pouco enigmática: um rei preparou uma festa de casamento para as núpcias do seu filho. Então, enviou seus servos para convidar as pessoas para o banquete..

  1. Escutar a Palavra de Deus, que traz luz para a vida.

 

  1. a) Canto de aclamação: a critério.
  2. b) Leitura do texto: Mt 22, 1-14 (o que diz o texto)?
  3. c) Momento de silêncio: Interiorização da leitura.

 

  1. Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto: 

Dirigente: O evangelista Mateus está “relendo” o fato histórico da destruição de Jerusalém e dizendo para os fiéis – que ouvem esta parábola – que, embora Jerusalém tenha sido destruída, o convite para o banquete nupcial, para esta união entre Deus e a humanidade, continua em pé.

Leitor 1.  Deus nos chama para uma íntima união com Ele. Precisamos nos preparar para isto. Simbolizando esta preparação, usamos a veste nupcial que cada um de nós precisa ter. Precisamos nos revestir dessa veste, precisamos mudar de atitude. Mudar de vida para nos prepararmos para este encontro com o Esposo, que é Cristo.

Para refletir:

  1. O que o texto diz para nós, hoje?
  2. Nessa parábola das núpcias do Filho de Deus, o que pode servir de ensinamento para nossas vidas?
  3. Deus continua nos fazendo convite para minha participação na sua vida. Como respondo?
  4. O que o texto me leva a dizer a Deus?

 

  1. Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

Dirigente: Com toda confiança, elevemos ao Senhor nossas preces, pois Jesus diz que quem busca encontra, e quem pede recebe.

Preces: (espontâneas)

Resposta: Senhor, escutai a nossa oração

  1. Vamos rezar ou cantar o Salmo 22/23 – na Bíblia Pastoral.
  2. Oração: Pai nosso
  3. Ave Maria
  4. Bênção final

4º Círculo – Mateus 22, 15-21

Cantai ao Senhor Deus um canto novo, cantai ao Senhor Deus, ó Terra inteira! (Salmo 95/96)

  1. Preparação do ambiente: Colocar em destaque uns sinais de vida: velas acesas, água, flores naturais e a Bíblia.
  2. Canto para motivar a participação das pessoas.
  3. Acolhida: Valorizar as pessoas da casa ou do grupo.
  4. Invocação da força da luz do Espírito Santo.

Espírito Santo, tu que vieste do Pai, e que permaneceste conosco, em Jesus, tu que habitas, pela fé, nos nossos corações, abre-nos à Palavra!

Seja a nossa inteligência e a nossa vontade, terreno bom, onde tu possas trabalhar com liberdade, de modo que a nossa vida seja sinal eloquente da tua caridade. Amém.

Dirigente: Vamos fazer a recordação da vida ou revisão do dia, olhar de perto as coisas da nossa vida.

  1. Chave de Leitura

No tempo de Jesus, o povo judeu estava submetido a Roma e pagava a ela pesados impostos. O imposto incidia “sobre a terra, número de filhos, metros de estrada das adjacências da propriedade, carne e sal consumidos, número de animais, plantas frutíferas da propriedade. ” Esse imposto era cobrado por pessoas que viviam no meio dos judeus (os publicanos) e fiscalizado pelo Procurador Romano. Essa intervenção romana, por demais humilhante, gerava dois partidos. Havia os que estavam a serviço de Roma, odiosamente chamados de “estrangeiros”. Do outro lado, havia a raça judia, nacionalista como era.

  1. Escutar a Palavra de Deus, que traz luz para a vida.

 

  1. a) Canto de aclamação: a critério.
  2. b) Leitura do texto: Mt 22, 15-21 (o que diz o texto)?
  3. c) Momento de silêncio: Interiorização da leitura.

 

  1. Vamos descobrir o que Deus nos tem a dizer por meio deste texto:

Dirigente: O texto de Mateus, seguindo a versão de Marcos (Mc 12,13), coloca juntos fariseus e herodianos. A narrativa de Lucas opta por classificá-los: “espiões que se fingiam de justos” (cf Lc 20,20). O interessante é que enquanto os falsos justos perguntam se é lícito ou não “pagar” o tributo a César, Jesus responde com outra concepção de justiça: usa o mesmo verbo, mas acrescentando um prefixo que dá uma ênfase diferente: não se trata de pagar, mas de devolver, a Deus o que é de Deus.

Para refletir:

  1. O que o texto diz para nós, hoje?
  2. Qual lugar Deus ocupa em nossa vida?
  3. Onde está Deus?
  4. Mas o que é mesmo de César? E o que é de Deus?
  5. O que o texto me leva a dizer a Deus?

 

  1. Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

Dirigente: Com toda confiança, elevemos ao Senhor nossas preces, pois Jesus diz que quem busca encontra, e quem pede recebe.

Preces: (espontâneas)

Resposta: Atendei, Senhor, nossa prece confiante

  1. Vamos rezar ou cantar o Salmo 95/96 – na Bíblia Pastoral.
  2. Oração: Pai nosso
  3. Ave Maria
  4. Bênção final

 

5º Círculo – Mateus 22, 34-40

Ó Senhor, sois minha força e salvação, minha rocha, meu refúgio e Salvador! (Salmo 17/18)

  1. Preparação do ambiente: Colocar em destaque uns sinais de vida: velas acesas, água, flores naturais e a Bíblia.
  2. Canto para motivar a participação das pessoas.
  3. Acolhida: Valorizar as pessoas da casa ou do grupo.
  4. Invocação da força da luz do Espírito Santo.

ORAÇÃO: Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da terra.

OREMOS: Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre de sua consolação. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

  1. Recordação da vida ou revisão do dia: Lembrar pessoas ou fatos recentes

Dirigente: Vamos fazer a recordação da vida ou revisão do dia, olhar de perto as coisas da nossa vida.

  1. Chave de Leitura

No evangelho de hoje, a comunidade de Mateus apresenta-nos Jesus ensinando o mandamento maior, no templo de Jerusalém (cf. Mateus 21,23; 24,1). Auxiliado pela sinagoga, o templo era o pilar de um sistema que garantia o ensino e o cumprimento das leis, bem como a aplicação das penas para quem não as cumprisse.

  1. 4. Escutar a Palavra de Deus, que traz luz para a vida.

 

  1. a) Canto de aclamação: a critério.
  2. b) Leitura do texto: Mt 22, 34-40 (o que diz o texto)?
  3. c) Momento de silêncio: Interiorização da leitura.

 

  1. Recordando a Palavra que foi proclamada:

Dirigente: Em que parte das Escrituras Jesus busca o espírito da lei, o princípio do amor? Para o primeiro mandamento, ele recorre a um dos livros da lei judaica, o Deuteronômio (6,4-5): “Amarás o Senhor, teu Deus…”. É um amor intenso, isto é, com todo o nosso ser: coração e alma, força vital e mente.

Leitor 1. O segundo, ele o encontra em outro escrito do Pentateuco, o livro do Levítico (19,18): “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. Também esse é um amor profundo, pois é amar o próximo tanto quanto amamos a nós próprios.

Para refletir:

  1. O que o texto diz para nós, hoje?
  2. Procurar compreender o contexto do relato: lugares, pessoas, perguntas que são feitas… Em seguida, responda: quais são as palavras e os gestos de Jesus? Qual tema perpassa a discussão dos personagens? Que mensagem o texto transmite?

 

  1. O que o texto o (a) leva a dizer a Deus? O amor a Deus se identifica e se concretiza no amor ao próximo. Aproxime-se do Senhor sem medo, sinta o amor que Ele tem por você e fale com Ele. Abra seu coração ao Pai e faça a sua oração, louvando-o e agradecendo-lhe o grande amor que Ele tem por você.

 

  1. Contemplação(Vida e Missão)

Qual o nosso novo olhar a partir da Palavra?

  1. Rezar a Palavra de Deus para transformá-la em vida.

Dirigente: Na fidelidade a Jesus Cristo e no término do mês dedicado às missões em nossa Igreja, elevemos ao Pai os nossos pedidos e, confiantes, supliquemos.

Preces: (espontâneas)

Resposta: Fortalecei a nossa consciência missionária, Senhor!

  1. Vamos rezar ou cantar o Salmo 95/96 – na Bíblia Pastoral.
  2. Oração: Pai nosso
  3. Ave Maria

 

  1. Bênção BÍBLICA: Invoquemos, com confiança, a bênção do Senhor: O Senhor nos abençoe e nos guarde! O Senhor nos mostre o seu rosto brilhante e tenha piedade de nós! O Senhor nos mostre o seu rosto e nos conceda a paz! (Nm 6,24-27).

Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo!

Todos (as): Para sempre seja louvado!

COMPARTILHAR