Padre Mestre Ibiapina é, indubitavelmente, um servo de Deus, cuja mensagem de caridade abrasou os corações dos seus devotos do passado e conforta os seus devotos do presente. Suas missões pelos sertões do Nordeste do Brasil levaram o Evangelho aos sertanejos e sertanejas, homens e mulheres marcados pela miséria, pela vulnerabilidade e pela seca, os quais passaram a cultivar, além das sementes do milho e do feijão, a esperança no Cristo Ressuscitado no campo de suas vidas. Desse modo, nas três últimas décadas do século XIX, Pe. Ibiapina atuou como arauto da fé em contextos difíceis, enxergando no amor-caridade um modo de permitir germinar a semente da esperança dessa gente.

Sua vocação missionária possibilitou o seu deslocamento por diversos lugares, fundando escolas, edificando igrejas e capelas, como também, erguendo casas de caridade e acolhimento. Sua atenção sempre voltada às vítimas de flagelos sociais em muito se assemelha ao exemplo de Jesus, que direcionou seu olhar misericordioso ao leproso, à viúva, aos portadores de necessidades especiais, em geral, aos excluídos. Padre Mestre Ibiapina foi considerado santo por muitos dos seus contemporâneos e, mesmo no decorrer dos anos, hoje um grande número de fiéis revozeiam sua santidade e dão testemunho de milagres, curas e livramentos atribuídos ao Padre Mestre.

Nesse sentido, atualmente, tramita no Vaticano o processo de beatificação desse servo de Deus, necessária para o reconhecimento e legitimação de sua santidade. No momento, aguardamos a etapa que pode conduzir o Padre Mestre rumo à venerabilidade. Para tanto, faz-se necessário o envio do processo à Congregação da Causa dos Santos, situada em Roma. Por meio dela, diferentes consultores, com formações acadêmicas no campo da História, Teologia e Medicina, reconhecerão se esse Servo de Deus é Venerável.
Na sequência, a Igreja passa a investigar um dos milagres atribuídos, a fim de reconhecê-lo como incontestável mediante à ciência. Quando concluído o reconhecimento, a Igreja beatifica o candidato. Ulteriormente, após um segundo milagre avaliado e entendido também como incontestável, a Igreja realiza a canonização, considerando o então Beato como verdadeiramente Santo. Para o Catecismo da Igreja Católica: “ao canonizar certos fiéis, isto é, ao proclamar solenemente que esses fiéis praticaram heroicamente as virtudes e viveram na fidelidade à graça de Deus, a Igreja reconhece o poder do Espírito de santidade que está em si e sustenta a esperança dos fiéis” (CIC, 828).

Para que a causa do Padre Mestre atinja as referidas etapas, dentre as quais está a atual que busca chamá-lo Venerável, faz-se necessário o pagamento de despesas referentes ao processo, por exemplo, o custo do trabalho dos consultores, o documento Positio, o decreto Super Virtutibus.Por isso, a Diocese de Guarabira, ao anunciar essa boa notícia, solicita a colaboração e união de toda a comunidade por essa grande causa. Assim, possibilitaremos que a mensagem de caridade do Padre Mestre alcance fiéis no mundo inteiro e que o seu modelo missionário inspire, sempre mais, sacerdotes e leigos.

 

Por: Pastoral da Comunicação Diocesana – PASCOM